O Brilho do Sim

"Não achas que a rotina é uma coisa maravilhosa?"... é espantoso como uma mesma frase, um mero arranjo lógico de vocábulos, pode ter um efeito tão díspar!
Tudo depende das circunstâncias, de facto!

Esta frase, primeiramente ouvida há quase 3 anos atrás, provocou-me, então, um calafrio que me percorreu a espinha e me tirou completamente o ar. Fiquei quase catatónica. E não pude senão responder um indignado, quase repugnado e rotumbante "não!!".

Hoje, noutras circunstâncias, veio-me a mesmíssima frase à cabeça, e, o que é incrível, é que a resposta não pode deixar de ser um doce e tranquilo "sim!"...

Sexta-feira, hoje era dia de os ir buscar à escola... a semana que agora entra ( as minhas semanas, desde há dois anos e quase meio a esta parte, começam e terminam às sextas-feiras ), é a minha... tenho-os de volta...

O caminho para casa é feito de músicas novas e anedotas e novidades da escola e do colégio e ai que não te calas que eu quero falar agora mas não pode ser que a minha coisa é mais importante que a tuas e já acabaste ou nunca te vais calar e é sempre assim sou sempre eu quem tem de se calar e ó mãe ouve lá esta... nem direito a vírgulas há, tal não é o leque de assuntos em agenda e tão curto o trajecto... Parece que há coisas destinadas a serem contadas só nos percursos feitos no carro...

É normal... chega-se a casa, pousam-se as mochilas, são os banhos e o jantar, mais tranquilos, é certo, mas tentando não arrastar a hora da refeição muito para diante...

Lembrei-me daquela frase... saiu do baú das recordações, que, por força de actos recentes, abri para deixar arejar um pouco o mofo que pode lá estar.

Mas hoje, no doce deitar dos anjos, na serenidade como tudo correu, na tranquilidade que estamos a ser capazes de lhes dar, nos beijos que lhes dei nas suas faces serenas e tão minhas, recuperei-a, restaurei-a e dei-lhe o brilho do "sim".

Rectórical Rita :p

#1

Eu (para ele): quantas vezes tenho de te dizer que te sentes direito à mesa?
(isto é nitidamente uma pergunta de rectórica, boa? :p )
Ela: Imensas.

#2
Eu (para ele): Quantas vezes já te disse eu que não mexas nos pés à hora da refeição?
(outra pergunta rectórica...)
Ela: Duas.




Eu aprendo. Um dia, eu aprendo!
:)

Ela...

É a graça personificada! Adoro vê-la a fazer os passitos do ballet em frente ao espelho, ou a pintar-se com um ar solene enquanto fica com uma cara mais "colorida" do que mandam as regras da maquillage, ou a experimentar roupas em frente ao espelho, ou a correr com os cabelos ao vento! É minha, é linda, é meiga, e é um amor!

Ele...

Por mais que o veja a saltar de cercas e de muros, com a destreza dos sete anos que já tem, por mais que oiça a falar à puto reguila com os amigos e os "primos" grandes, acompanhando-os no estar e fazer, por mais que ele já se recuse a receber mimos meus em público, à noite, quando dorme e o aconchego, não resisto a cheirá-lo e a chamar-lhe "passarinho da mãe"!

Ausências

Esta tão longa ausência, ainda que não careça de justificação, sempre merece (até para minha memória futura) de algum enquadramento.
Muito mudou. Tudo, aliás!

Desde que me iniciei nestas lides, a minha vida tem sido sinónimo de mudança. Algumas mais demoradas, outras mais repentinas. Umas difíceis, outras boas! Mas sempre muitas!
Mas estes registos, aqui, que são dedicados às duaz luzes da minha vida (agora há mais uma, mas não lhe farei o elogio e homenagem por aqui... ), não são a sede própria para tais suspirações!

Aqui é para os meus baixinhos, que estão bem, lindos e recomendam-se! São um par de miudos às direitas! Surpreendem-se sempre! As minhas mãos aqui hão-de verter as letrinhas do meu amor por eles! Com a regularidade que me merecem e que merece o amor que nos temos!

A época de exames em que me encontro agora limita-me nos ímpetos e no tempo.
Voltarei, mais regularmente.

Porque eles merecem que fiquemos com o nosso registo!

Até já!