Meus, meus e só meus!!!

São meus, outra vez!
Meus, meus, muito meus! Meus e só meus!!
Yeap!!!



...pelo menos nos próximos quinze dias...

Trovoada

Eu gosto de trovoada. Gosto de ver os relâmpagos e do barulho dos trovões.
Esta noite fui à janela ver as trovoadas que se abateram em Lisboa.
A única angústia foi por causa dos meus baixinhos... tomara que o pai deles tenha acordado para os acalmar... eles têm tanto medo de trovoadas...

New look

Estava eu tão satisfeita com o new look do Reino e eis que os "gaijos" do Blogger me fintam e levam o meu recife de coral...
Não gosto nada destas bolas, mas foi o que se arranjou...
Vou mudar isto assim que tiver um tempinho.
E voltar a colocar os meus links preferidos.

Fazer ó-ó...ou talvez não...

O deitar corre bem. Quer dizer, não é coisa que corra mal. Não há birras por aí além, ainda que argumentos fortes devam sempre ser esgrimidos e a "deita" é sempre sob protesto. E votam vencido!
Ele, porém, depois de 3 ou 4 reviravoltas , cai no sono que nem um pardalito.
Ela...bem, ela, já é um caso diferente...

Se estiver inspirada, há sempre assuntos prementes a serem debatidos em fase "pré-almofadar"... um dia destes, os três na mesma cama, ele já ia quase de certeza em REM... eu podre de sono e ela, decide contar uma história... claro que aceitei, afinal, gostamos sempre de ouvi-los a dar a versão deles...só que ela tem uma tendência para pegar em todas as histórias de conhece, misturar e lá vai disto... eu só sei que dormi durante 45 minutos (sim, não estou a exagerar), acordei e lá estava ela, indefectível, a debitar...

Também tem outra estratégia quando quer dormir comigo - a do cansaço (meu, claro! who else ???)

Eu: Rita, vá, vamos deitar...
Rita: Está bem...
Eu: [ beijinhos, abracinhos, miminhos, aconchegar o lençol e saio do quarto] até amanhã.
Rita: Témanhã!
(intervalo de dois minutos para eu me deitar, juntamente com a livrarada toda do marranço)
Rita: (à entrada do meu quarto) Mãe, qué dizê 'ma coisa...
Eu: ...? sim, querida? ...diz lá...
Rita: ...sabes, hoje foi o meu dia de sorte...
Eu: Sim? que bom! Porquê?
Rita: Porque os colegas brincaram comigo!
Eu: Olha, pois foi. Pronto, agora vamos lá para a caminha (de novo o ritual do aconchego, do beijinho, etc, etc...)
(novo intervalo de dois minutos para eu me deitar e voltar aos livros...)
Rita: Mãe!...
Eu: Sim...
Rita: (outra vez junto a mim) Qué dizer-te um segredo...
Eu: Sim ( e coloco o ouvido a jeito...) ...
Rita: Gosto de ti! (sabidona...)
Eu: E eu de ti, meu amor! Caminha?
Rita: Sim...
(desta vai sozinha para o quarto e eu fico a dizer adeus da minha cama...)
Rita: Mãe... qué fajer xixi...podes ir comigo?
Eu: ... sim... (nesta altura já começo a achar que o melhor é arrumar a livraria...)
(xixi feito e de volta ao beliche...)
Rita: Mãe... (ouço os passos e já estão uns olhitos suplicantes a mirar-me...)
Eu: queres dormir aqui, é?
Rita: ...é...
Eu: Pronto, então deita-te lá aqui...
(não, isto não fica por aqui...)
Mãe: o que foi?? (agora é a fase em que já me apetece dormir...e a paciência começa a escassear...)
Rita: ...queria um copinho de água, "sefájavor"...
Lá vou à cozinha, dou-lhe água, bebe-a e adormece em 3 segundos...

Rita: vitoria por KO ao 5º assalto...