A mudança do Tomás

“Queres conhecer alguém fantástico?” - Foi desta forma que ela apresentou o irmão às colegas neste primeiro dia na escola nova, onde anda a irmã, para onde o transferi. E, naquele instante, senti-me confortada pelo facto de os ter tido com tão pouco tempo de intervalo. Sei que ela vai tratar de o ambientar e ele, por sua vez, vai ajudá-la a assentar um bocadinho, que rapariga mais cabeça no ar nunca vi!

E logo ali se juntou um grupo de caras sorridentes a cumprimentá-lo à sua chegada. Foi muito bem recebido!

Não foi, mais uma vez, uma opção fácil, esta da mudança de escola.

Porque se é verdade que a escola onde ele estava padecia, este ano, de grandes dificuldades por causa da sobrelotação (estamos a falar de um estabelecimento de ensino projectado para 150 crianças e que aloja mais de 400…), por causa da falta de professores e infra-estruturas adequadas para cumprir o horário regulamentar, impossibilitadas de cumprir os prolongamentos (que vão obrigar a uma solução de recurso sofrível…), se é verdade que na turma dele, uma turma do 3º ano, foi colocada uma menina de 13 anos que veio de Àfrica e não sabe ler nem escrever, o que, como é fácil de ver, absorve grande parte da atenção da professora em deterimento do resto dos meninos, se isso tudo é verdade, é, porém também verdade que a professora é óptima. Com as condições que lhe dão – e são pouquíssimas – fez um óptimo trabalho. E depois, há a questão dos amiguinhos dele. Vai ter saudades deles… outro corte... mas ficamos com os telemóveis... há sempre a possibilidade de os juntar uma ou outra vez...

Mas esta escola nova onde o coloquei tem muitas vantagens. Vai estar com a irmã, e, desde logo, há ali um elemento importante que torna a escola menos impessoal; há uma âncora. E vale para ela também. Depois, trata-se de uma escola onde há um grupo pequeno de crianças, o que faz com todos se conheçam e onde existe um espírito de grupo muito arreigado. E sabe bem entrar num espaço onde os meninos todos nos dizem "Bom dia, mãe da Rita!!".

Como tem condições muito boas, cada turma tem a sua sala de aulas e eles não precisam de andar carregados com a trouxa às costas. Já não tem de carregar os 4 livros e caderno. Tudo fica na escola. Nós podemos consultar quando quisermos, é só pedir à professora. Tem o horário completo e prolongamento, com as disciplinas de melhoramento curricular, como se chamam; são elas o inglês, a música, a educação física, expressão plástica e apoio ao estudo.

Como são poucos em sala (15) e, por acaso (ou por causa da professora :p ), até são calminhos, estão mais avançados na matéria, mas isso não seráproblema.

Depois, geograficamente, fica num local aprazível (desconhecia que aqui houvessem recantos como aquele… nem parece estarmos a 15 km de Lisboa…). Aliás, tudo aquilo, o espaço, a organização, as pessoas parece um estabelecimento de ensino privado. Mas melhor – porque faz parte do ensino público!

Para mim, evita que ande a saltar de escola em escola de manhã, quando todo o tempo é pouco e as filas são demais.

Falei com ele há pouco e estava satisfeito. Está contente por não ter trabalhos de casa, pois fazem-nos todos na escola.

Sei que vai sentir saudades. É mais uma mudança. Mas, novamente, para melhor!
Este ano, a rentrée escolar foi algo complicada. Nada foi como planeado. O Tomás ficou na mesma escola, com a mesma turminha e com a mesma professora. O ano começou calmo, mas com algumas novidades. Algures num futuro que nos foi dito ser próximo (mas que eu desconfio ser aferido numa outra escala temporal...), o seu horário vai mudar, vai passar a ter prolongamento até às 15 horas e, no ano que vem, muda de instalações. Esta mudança não me agrada, pois vai passar a estar num edifício frequentado por crianças do 2º ciclo do básico... Asseguraram-nos que vão constuir uma divisória no recinto, mas, desconfio sempre destas soluções... não sei porquê...
Não estou tranquila, mas há-de ser um problema a colocar-se no ano que vem. Só não o mudo já de escola, porque ele é muito reservado, é-lhe muito difícil fazer amizades, pois é o tipo de criança que detesta confusões e brigas, o que é facilmente confundido com ser-se "menino da mamã"...

Quanto a ela... pois só amanhã (informação ainda não confirmada) é que se prevê que as aulas se iniciem. Tem andado numa agitação, sem ter professora. Foi uma pena as coisas não terem corrido bem... avalio pela minha filha o entusiamo com que aquelas crianças aguardavam o início da sua nova vida. Fiquei com uma Rita triste quando soube que ainda não tinha professora...Ontem, ao dar-lhe a notícia, ficou em êxtase!
Vamos ver. Tudo indica que amanhã será a estreia da minha princesa!

Uma notinha: aparentemente, houve um erro na aplicação que faz a colocação dos professores logo no primeiro concurso, erro esse que voltou a acontecer mais 2 vezes, (portanto, na aplicação que nós, contribuintes pagamos, e que nos deve custar rios de dinheiro, tal como a sua manutenção e correcção de erros...) e só agora foi remediado; isto deixa-me sempre lugar a tecer considerações acerca da forma como estas coisas se processam... para mim, cá de fora, faz-me sempre uma impressão porque raio estas coisas não se resolvem ANTES do início do ano escolar... afinal, foram para aí umas 12 ou 13 semanas de férias... mas isto sou eu com os nervos... de certeza...